Viva o Carnaval! Brasil o País do Carnaval, Samba, Futebol, Praia e Cerveja.

Saindo na bateria da Escola de Samba Minas de Ouro - São Sebastião do Paraíso-MG

Saindo na bateria da Escola de Samba Minas de Ouro – São Sebastião do Paraíso-MG

Entre outras belezas naturais (incluindo entre elas a mulher brasileira), o Brasil é conhecido como o país do Carnaval, Samba, Futebol, Praia e Cerveja, mas já não sei se podemos conceber esta classificação como verdadeira para a grande maioria da população. Eu gosto de todos estes itens, mas estou vendo que está ficando difícil pagar este luxo.

Vejamos:

Segundo pesquisa realizada através do link (http://www.ingressosligasp.com.br/regulamento.asp#informacoes) os preços para assistir ao desfile das escolas de samba do grupo especial, em São Paulo, variam entre R$ 90,00 e R$ 190,00 para arquibancada, sendo que para cadeira e mesas de pista os valores vão de R$ 370,00 a R$ 2.420,00. Se uma família paulista, composta por quatro pessoas, tiver a intenção de assistir aos desfiles, ainda que escolher o menor preço para arquibancadas, cujo conforto eu classifico como ruim, irá gastar R$ 360,00, montante que representa quase metade de um salário mínimo vigente no país. Acredito que no Rio de Janeiro os valores sejam superiores em razão de ser um carnaval mais conhecido.

FUTEBOL PAIXÃO DO BRASILEIRO.

Assistindo ao Futebol

Assistindo ao Futebol

Quando o assunto é o “popular futebol brasileiro”, caso queiramos ir aos estádios para assistir um clássico, facilmente iremos nos deparar com custo médio do ingresso em torno de R$ 100,00. Na última copa do mundo, realizada aqui em nosso país, os valores médios, para um lugar razoável, estavam em torno de R$ 700,00, sendo que com certeza saborear esta paixão não foi possível para a grande massa da população brasileira.

BEBER CERVEJA ESTÁ QUASE UM LUXO

Sagrada Cervejinha

Sagrada Cervejinha

A nossa sagrada cervejinha então, nem se fala. Até pouco tempo pagávamos em torno de R$ 1,50 para saborear uma latinha de qualidade razoável e hoje você deve pagar em torno de R$ 2,50 para comprar uma entre as duas marcas mais famosas, ou seja, comprando quatro latinhas lá se vão dez contos e, convenhamos, quatro latinhas em dia de calor não chega a ser suficiente como diria meu amigo clayton.

DEPENDENDO DA PRAIA QUE QUISER CONHECER, PREPARE SEU BOLSO.

Salvador-BA

Salvador-BA

Alta temporada pode esquecer. Mesmo em baixa temporada, por exemplo, se você quiser um pacote de sete dias em uma das lindas praias do nordeste brasileiro, considerando estadia, transporte e alimentação para uma família composta por quatro pessoas, facilmente você encontrará pacotes com custo a partir de R$ 10.000,00. Assim, considerando que o salário médio do brasileiro está em torno de R$ 1.200,00, segundo divulgação no link http://www.brasil.gov.br/economia-e-emprego/2014/04/salario-medio-alcanca-patamar-de-r-1-166-84, curtir a praia dos sonhos pode ser inviável para muitos. Uma viagem como esta poderia representar quase que a receita anual do trabalhador médio brasileiro.

Assim, estou chegando à conclusão de que aquele país do carnaval, samba, futebol, praia e cerveja está ficando inviável para a maioria dos brasileiros. Manter este luxo está cada vez mais difícil e aquele que quiser desfrutar de tais prazeres terá que desembolsar uma boa grana ou fazer um super planejamento para tanto.

Enfim, o Brasil do carnaval, samba, futebol, praia e cerveja tornou-se um país caro para se viver.

E o que nos resta fazer?

Bem. Temos uma das cargas tributárias mais altas do mundo, em torno de 35% de nossa receita, e infelizmente não temos o correspondente repasse dos benefícios públicos que justificaria esta alta carga tributária.

Mesmo os serviços privados que nos são oferecidos, tais como serviços de telefonia, saúde, serviços bancários, vestuário ou alimentação, apesar de caros, em minha opinião deixam a desejar.

Portanto, a forma de nos defendermos é começarmos a exigir serviços e produtos de primeiro mundo, já que a tributação e o preço final são, muitas vezes, até superiores aos praticados no primeiro mundo. Não é a toa que segundo informações do site UOL economia Os brasileiros gastaram em viagens internacionais a cifra recorde de US$ 25,342 bilhões em 2013, superando os US$ 22,233 bilhões de 2012.”

Devemos começar a exigir maior respeito enquanto cidadãos consumidores e pagadores de impostos. Não aceitar mais uma escola de péssima qualidade, a insegurança, ou sermos maltratados nos órgãos públicos, ou termos que tolerar atrasos de uma, duas ou três horas para assistir a um show, ou sermos mal atendidos em restaurantes, lojas, teatro, cinema, comércio em geral etc, pagando caro, mas recebendo atendimento, produtos e/ou serviços de má qualidade.

Devemos exigir tratamento digno e, quando não alcançado, reclamar nos canais onde possamos colocar nossas opiniões, pois somente assim iremos, aos poucos, conseguir respeito e mostrar que o brasileiro é bonzinho, mas não é bobo.

Assim, caros amigos, se adotarmos um comportamento no sentido de exigir mais respeito enquanto cidadãos e consumidores, ai poderemos curtir melhor nossos carnavais, nossos sambas, nossas praias, não aceitar mais pagar caro por uma partida de futebol e tomar um chocolate de 7×1. No mais, em relação à apreciação de nossa cerveja, acho que o brasileiro está merecendo um produto de melhor qualidade, porque as nacionais, pelo menos as que eu estou consumindo com parcimônia, estão caras e com um sabor que muito deixa a desejar.

Valeu, fico por aqui neste sabadão de carnaval e desejo a todos uma ótima folia, mas com consciência, e que após o carnaval possamos vestir a fantasia de cidadão para exigirmos mais respeito. Durante o carnaval o brasileiro faz a alegria de muitos, mas precisamos aprender a exigir que outros também nos façam sorrir um pouco mais.

Até a próxima e um abraço.

É Bom Refletir De Vez Em Quando

É Bom  Refletir De Vez Em Quando

É Bom Refletir De Vez Em Quando

Não sei se isto acontece com você, mas sabe aqueles dias em que você não quer falar nada e apenas quer ficar pensando? Pois é, de vez em quando eu também fico assim. É bom refletir de vez em quando.

E estes dias não são de todo mal.

Em tais dias de reflexão eu consigo buscar um aprofundamento em meu Ser e organizar minhas idéias. Consigo fazer uma reflexão sobre meus atos, se estou errado ou se outros estão errados, embora geralmente tendamos a achar que estamos sempre certos e que os outros é que estão errados.

Mas, penso que uma grande demonstração de sabedoria é pausar e admitir a possibilidade de não estarmos corretos. Você já foi humilde o suficiente para adotar esta postura?

Eu tenho tentado, quando estou travando uma discussão sobre algum ponto, pelo menos interromper a minha euforia pela discussão e analisar a questão sobre a ótica de meu interlocutor. Em rápida função racional tento avaliar se estou correto ou se consigo admitir que meu interlocutor é quem está com a razão. Puxa! De fato isto é um exercício bem difícil e me parece que a maioria das pessoas, quando estão em uma discussão, não consegue interromper o fluxo de informação que está em seu cérebro, para admitir a possibilidade de coerência do argumento utilizado pelo interlocutor.

Acho que um grande passo é aprendermos a ouvir, interpretar o que se escutou, avaliar os argumentos postos e, humilde e eventualmente, admitirmos que o outro está com a razão.

DEVEMOS NOS DAR UMA CHANCE DE PENSAR QUE PODEMOS ESTAR ERRADOS.

Buscando Seu Interior

Buscando Seu Interior

Devemos nos dar uma chance de pensar que podemos estar errados ou que nosso comportamento poderia ser mais consensual em determinado caso. O duro é achar que se está sempre certo e ficar sustentando uma posição com olhos e ouvidos fechados. Ai não tem jeito e pode ser um comportamento que não lhe dá oportunidade de crescimento interior. Pense nisto.

Também não ajuda aquela postura de somente parecer que está ouvindo.  Sabe, naqueles casos, quando nosso interlocutor está falando e já estamos preparando os argumentos de nossa defesa, ou seja, não estamos ouvindo, e queremos falar algo que apenas a nós interessa? Você já reparou que isto já aconteceu com você? Pois é, cuidado para não achar que somente o que você tem a dizer é interessante.

É por isso que naqueles dias, nos quais queremos falar pouco, uma reflexão desta natureza pode ser importante, pois nos permite buscar uma calma dentro de nosso Ser, aceitar que o mundo não é como gostaríamos que fosse e que as pessoas são totalmente diferentes de nós e, assim, podemos aprender a aceitar algumas coisas como elas são e até buscar equilíbrio para tolerar coisas que até poderiam nos deixar não muito felizes.

Não sei por que a vida é assim, mas é assim e temos que buscar inteligência para aceitar coisas que podem ser imutáveis.

De vez em quando eu fico me questionando como devo agir em tal situação, ou se está correto me privar disto ou daquilo, e algumas respostas eu encontro em compreender a imperfeição das coisas.

Mas acredito que esta questão de você se recolher em seu íntimo, tentar refletir, se perguntar coisas e tentar entender o momento, te ajuda a não tomar atitudes precipitadas e cometer erros que poderiam ser irreparáveis.

Refletir te ajuda a organizar as idéias, a ignorar momentos de raiva, a não agir por impulso, a ser mais tolerante e ai você ganha uma oportunidade de buscar a compreensão acerca de todas as coisas que acontecem em sua vida.

Sei que na maioria das vezes este é quase que um momento de tristeza, mas minha experiência tem me mostrada que devemos aceitar todos os momentos: temos momentos alegres, momentos tristes, momentos de difíceis decisões, momentos em que as coisas dão erradas e os momentos nos quais conseguimos alcançar nossos objetivos. De uma forma ou de outra tudo acontece e tudo passa. Portanto, o bom ou o ruim faz parte da vida.

A vida é um continuar eterno.

A vida é um dia após o outro.

A vida é uma equação sem resposta de curto prazo.

A vida é um aprender eterno.

A vida é um buscar que por vezes, por mais maduros que sejamos, não conseguimos compreender.

Assim, a lição que fica hoje é: Quando as coisas lhe parecerem estranhas e não quiser falar, se recolha em seu íntimo e se dê oportunidade de refletir sobre a questão do momento e procure manter uma atitude madura, admitir a possibilidade de estar errado ou buscar paciência para comprovar a correção do seu ponto de vista. Por vezes o que lhe parece incorreto em verdade é normal e o que lhe parece humilde em verdade pode ser um ato de grandeza

tcheroAHoje fico por aqui com esta reflexão e deixo um grande abraço. Rogério Gomez – Tchero.

Você Tem Planos Para Amanhã?

amanhecer3

CALMA!    Meu convite aqui é para te ajudar em uma reflexão para os próximos anos de sua vida.

Seria muito bom se todos os resultados que pretendemos fossem obtidos de forma rápida, mas minha experiência de vida vem me ensinando que isto não acontece da noite para o dia para pessoas normais como nós.

Logicamente algumas pessoas não precisam de esforço para ter uma qualidade legal de vida, mas isto não é o caso da maioria.

Digo que a realização de nossos planos é plenamente possível quando seguimos uma receita mais ou menos com estes ingredientes: (a) Na base do prato você junta a VONTADE e o PLANEJAMENTO; (b) adicione uma boa porção de DEDICAÇÃO e, (c) vai batendo e ralando durante o TEMPO NECESSÁRIO para que o prato fique pronto.

Seguindo esta receita é muito provável que você obtenha o resultado esperado.

E quando falo aqui de vontade, de planejamento e dedicação, não estou querendo dizer que devemos seguir à risca a receita, sem nos desviarmos um milímetro do traçado ou que sejamos extremistas e NUNCA desviar do foco. Não. Não é nada disso, até porque os incidentes de percurso são naturais, ainda mais em se tratando deste nosso Brasil (ou diria o Brasil deles?).

Também não acredito que devamos estabelecer aquele projeto infalível. Simplifique da seguinte forma:

VONTADE. Objetivo em mente.

PLANEJAMENTO. Estabelecer e cumprir etapas.

DEDICAÇÃO. Trabalhar em seu benefício.

TEMPO. Ter paciência.

Geralmente as pessoas não ficam entusiasmadas quando percebem que o “chegar lá” vai exigir um caminho de cinco, dez ou vinte anos, e isto faz com que nunca se dê o primeiro passo. Mas isto é muito ruim. Diria que o TEMPO quase que nos dá a certeza de que atingiremos nossos objetivos e por isso a paciência e a dedicação são indispensáveis.

materio para carro2

Por exemplo, se o objetivo é comprar um carro zero, de padrão médio, por volta de cinquenta mil reais, e você conseguir guardar mil reais por mês, você tem a certeza que em quatro anos comprará um carro bacana, ainda mais se conseguir investir bem o dinheiro neste tempo, ou seja, o TEMPO é a certeza de que cumprirá seu objetivo.

Pergunto: O que você planejou para a sua vida há dez anos e como ela está hoje? Ela está como programou, melhor, pior ou na mesma?

Se a sua resposta for uma das duas últimas alternativas, provavelmente você pensará: “Pô, deveria ter feito aquilo” ou “Deveria ter feito igual meu amigo” ou “Se soubesse teria aceitado aquela oferta” ou “Deveria ter insistido” etc.

Não é uma sensação ruim quando olhamos para trás e notamos que estamos na mesma situação?

Talvez esta reflexão possa te ajudar a mudar seu futuro, mas tudo bem se a sua escolha for fica do mesmo jeito.

Reforço que não penso que devamos ficar bitolados em alcançar objetivos ferozmente e passar por cima de tudo e de todos, ai não acho legal, mas com dedicação o planejado irá acontecer e isto é apenas uma questão de tempo.

A maioria dos brasileiros costuma ter sonhos parecidos: formação escolar própria, casar, educar bem os filhos, comprar um carro e uma casa legal, viajar uma vez por ano, fazer um pé de meia, ter uma velhice sem muitas preocupações, e tudo é plenamente possível.

Ora, a qualidade do sonho concretizado ou a concretizar depende exclusivamente do quanto nos preparamos ontem ou do que estamos planejando hoje para o futuro. Você pode ter muita dedicação e assim ter uma qualidade invejável em um ou mais sonhos, ou pode ter uma dedicação razoável e ter a realização dos sonhos de forma mais modesta, entretanto, de forma digna, mas o importante é não ficar parado.

Tanto melhor se conseguirmos viver bem sem abrir mão do hoje, até porque de concreto só temos o hoje, mas acredito que o equilíbrio é possível para não prejudicarmos o futuro, que pode ser um período bem interessante se lá tivermos um pouco mais de tranquilidade e flexibilidade. O futuro pode nos mostrar que ainda podemos realizar aqueles sonhos maiores que ficaram escondidos ao longo da jornada e, se tivermos conquistado alguma tranquilidade em nossa fase mais produtiva, podemos nos dar o luxo de iniciar a realização de mais um sonho e consolidá-lo com as demais conquistas feitas ao longo da vida.

Dai porque acredito que temos que seguir alguma receita pensando em um futuro melhor e esquecer aquele papo de “vou vivendo”. O esforço é necessário e um pouco desgastante, mas costuma recompensar com o prazer de ter opção de escolha lá na frente.

Eu planejei algumas coisa na minha vida que de fato aconteceram, outras estão acontecendo e neste momento estou fazendo alguns planos para os meus próximos dez anos.

Pretendo seguir mais ou menos aplicando a mesma receita: planejar, dedicar e esperar o resultado com o tempo.

Refaço a pergunta: E ai, você tem planos para amanhã?

Estarei te esperando daqui a uns cinco ou dez anos para comemorarmos o nosso sucesso. Até lá.

Caso acredite que exista alguma verdade nesta reflexão e que possa ajudar alguém, ficarei feliz se encaminhar um link deste artigo, pois espero que todos tenhamos um amanhã melhor.

Valeu, até a próxima e um grande abraço. Rogério Gomez ou simplesmente Tchero.

Cuidado para não viver a vida alheia.

despertador

Longe de querer meter o bedelho na vida particular de alguém, mas esta minha reflexão de hoje é na tentativa de colaborar com aquele que não se dá conta de que poderia investir melhor o seu tempo disponível.

Poderia até intitular esta reflexão dizendo: “Vai cuidar de sua vida!”, mas procure me entender, por favor, não é bem como o ditado popular diz.
Logicamente que esta minha reflexão não se refere a utilizar parte da vida em benefício de pessoas que amamos ou para um trabalho voluntário em benefício de alguém, já que este tipo de dedicação é viver a própria vida com distribuição de mais amor.

O enfoque aqui é outro.

É que observo que uma boa parcela da população investe tempo e até dinheiro para viver a vida de outros, sem que isto lhe traga algum benefício, mas, ao contrário, beneficia unicamente alguém que na maioria das vezes não está interessado em saber como anda sua vida.

Com o frenesi da vida moderna sentimos que 24 horas do dia são insuficientes para vivermos bem nossas vidas e, assim, muitas pessoas procuram arranjar um tempinho extra para complementar suas tarefas e até se utilizam de ferramentas de gerenciamento de tempo para melhor organizar suas rotinas.

Portanto, considerando que arranjar tempo disponível tornou-se tema importante na atualidade, precisamos valorizar e bem utilizá-lo em benefício das coisas que nos agrega valor.

Noto que muitas pessoas, sem se darem conta, estão gastando tempo precioso de suas vidas para viver vidas de outras pessoas.

E o que quero dizer com viver a vida de outras pessoas?

É, por exemplo, colocar em sua rotina a discussão e acompanhamento de um reality show; é jamais perder um capitulo da novela das 6, das 7 e das 8 horas; é assistir aqueles debates televisivos que, ao final, você não encontra qualquer utilidade sobre o que se estava debatendo; é investir tempo e dinheiro em revistas de fofocas de celebridades ou que revelam o que acontecerá no próximo capítulo da novela; é, ainda, sofrer emocionalmente com aqueles programas sensacionalistas que repetem dezenas de vezes a mesma matéria e que, geralmente, exploram a desgraça alheia.

Concordo que televisão, revistas, jornais e outras mídias são de suma importância para a transmissão de informações, para a democracia, lazer, e cultura geral da sociedade, mas em minha opinião há um monte de porcaria onde as pessoas estão perdendo parte importante de suas vidas, vivendo a vida alheia e, quando se dão conta, notam que pouco construíram para suas próprias vidas.

A curiosidade do Ser Humano é normal e é natural observar algum conteúdo que pouco lhe acrescenta, até para esfriar a cabeça, mas a atenção que chamo aqui é para que questione se o tempo disponível gasto está lhe acrescentando algo.

Ter interesse pela biografia de alguém é totalmente salutar quando se busca inspiração para realização de metas pessoais, mas ficar naquela de saber se o fulano casou, se comprou isto ou aquilo, se está namorando, quem vai cair etc, é viver a vida de outra pessoa.

Como boa parte da população tem um tempo bem reduzido para dispor em seu favor, acredito que vale a reflexão de se perguntar: Quanto da parte do tempo que me sobra diariamente eu estou vivendo em favor de minha vida?

Embora seja direito sagrado cada um dispor de seu tempo como bem entender, minha provocação aqui é para aqueles que não se deram conta de quanto de seu tempo estão dedicando unicamente em favor de terceiros.

Assim, pense nisso e dê preferência para, primeiro, viver a sua vida, já que este é o bem mais precioso que possui, pois acredito que muitos daqueles que são beneficiados com sua audiência, me desculpe a contundência, pouco estão se lixando pra você.

Faça uma reflexão. Analise se está desperdiçando tempo, dia após dia, sem receber qualquer benefício em troca e tente utilizar parte para realizar alguma atividade que lhe dê mais prazer e resulte em benefício pessoal ou profissional.

Como diria o poeta Cazuza, “O TEMPO NÃO PARA”.

Não se arrependa de ter visto o tempo passar sem o mínimo de realização pessoal.

Valeu, este é meu olhar de hoje segundo minhas experiências vividas.

Grande abraço. Rogério Gomez – Tchero.

Doze dicas para ter uma vida, em 2015, mais feliz:

SEJA MAIS FELIZ EM 2015FELICIDADE

Este ai, no canto direito, sou eu feliz juntamente com primos. Muitas coisas simples podem nos proporcionar uma vida mais feliz, mas nem sempre procuramos seguir a simplicidade para alcançarmos a tal felicidade. Entre várias outras atitudes cito aqui meu olhar sobre doze dicas que podemos seguir em favor de nossa felicidade:

1. Faça um orçamento de suas despesas e procure controlar sua ansiedade e de sua família em gastar além do orçado;
2. Gaste no máximo 90% de sua receita líquida e invista o saldo de 10%;
3. Tenha um hobby;
4. Procure ter uma alimentação balanceada e, se necessário, consulte um nutricionista;
5. Leia no mínimo seis livros neste ano;
6. Faça algum tipo de exercício. Se em seu orçamento não cabe uma academia, utilize o parque que com certeza tem perto de sua residência;
7. Reserve um dia para comemorar com amigos ou familiares, fazendo um simples churrasco, pizza, ou mesmo um bate papo na cozinha de sua casa;
8. Plante uma árvore, compre um vaso de planta ou faça um pequeno jardim em algum canto de seu quintal ou varanda;
9. Visite seus pais ou irmãos pelo menos a cada quinze dias;
10. Quando acordar pela manhã, para trabalhar ou ir para a escola, em frente ao espelho do banheiro, diga a você mesmo: viverei este dia como se fosse o último de minha vida;
11. Respeite os mais idosos e procure aprender com eles;
12. Aprenda algo novo neste ano. Vale tudo: aprender a preparar um prato de comida, aprender a tocar algum instrumento, aprender a arrumar algum utensílio doméstico, falar alguma língua ou qualquer outra coisa.

Com certeza você será uma pessoa mais feliz em 2015 se procurar fazer algo diferente e que de alguma forma te faça ser uma pessoa melhor.

Valeu e um grande abraço do Tchero. Até mais.

Você desiste de seus objetivos facilmente?

alvoVocê sempre traça um objetivo, mas encontra vários obstáculos para cumpri-lo? Talvez precise simplificar um pouco as coisas, ter paciência e se dedicar só um pouquinho a mais.

Meu olhar sobre as experiências no cumprimento de objetivos é que não existe nada fácil, mas também não precisamos ter aquela disciplina militar, ou ter um programa rígido ou deixar de fazer tudo em razão de um único objetivo.

Temos que ter metas, sejam pequenas ou grandes, de curto, médio ou longo prazo, mas o ponto primordial é seguirmos ao encontro dos objetivos traçados.

Sei que por vezes encontramos algumas dificuldades no meio do caminho, às vezes estamos com um pouco de preguiça e não encontramos estímulos para cumprir a etapa programada. Em outras oportunidades, diante de obrigações profissionais, pessoais ou familiares, até pensamos em desistir de nossa meta, pois, com tantas outras obrigações, pensamos que jamais as alcançaremos: mas isto é um grande erro. Não desista! Se você se deixar levar pelas dificuldades, daqui a alguns anos estará na mesma situação em que você se encontra hoje.

Todo mundo tem problemas, não somos super-heróis, somos falíveis, e em busca de nossos objetivos acredito que devamos seguir etapas simples. Não é necessário um super manual de cumprimento de metas ou de programas mirabolantes. Simplifique, “vai na sua batida, mas vai”.

correndo ao objetivoSem me prender à rigidez dos manuais de cumprimento de metas, deixo aqui meu olhar sobre o assunto:

  1. Tenha um objetivo alcançável. Pense assim: Se é possível para alguém é possível para mim;
  2. Não espere que outros lhe digam o que fazer de sua vida. Você é o responsável por ela. Trace você seu objetivo;
  3. Cumpra a etapa que programou. Se em algum dia não cumpri-la em razão de compromisso ou porque está com preguiça mesmo, não esquenta, simplesmente não faça, mas retome o caminho sempre;
  4. Não se incomode em ter uma disciplina militar para cumprir o objetivo. O importante é seguir sem desistir;
  5. Não ligue para o tempo. O importante é ir fazendo;
  6. Não arrume desculpas para desistir do objetivo;
  7. Seja dono do seu destino. Não sucumba ao desestimulo dos outros. Vá em frente;
  8. Todo objetivo demora mesmo. Na maioria das vezes não espere resultados rápidos. Tudo tem seu tempo;
  9. Controle como está indo e faça os ajustes necessários. O hábito de medir ou gerenciar te estimula a seguir em frente;
  10. Não deixe de comemorar a cada etapa cumprida, ainda que seja de forma simples.

A vida é feita de escolhas, não dá para fazer tudo e os atalhos podem te levar a caminhos estranhos, cuidado. A escolha de um objetivo geralmente implica abrir mão de outros.

Escolha seus objetivos, vá cumprindo as etapas e se tornando uma pessoa melhor e mais feliz a cada dia.

Valeu e até a próxima provação aqui no Blog do Tchero. Rogério Gomez.

A vida é um quebra-cabeça incompleto.

tchero31

Ontem compramos um quebra-cabeça para a filhinha de uma amiga nossa que fez aniversário e minha esposa Ana Paula me pediu para embrulhar o presente. Eu até gosto de embrulhar presentes: é uma arte na qual minha habilidade é qualificada como, vamos dizer…, quase aceitável.

Enquanto embrulhava o presente me peguei fazendo um paralelo entre nossa vida e o brinquedo. Igualmente ao brinquedo nossa vida tem uma grande quantidade de peças para serem encaixadas.

Enquanto crianças, seis ou sete anos, nos sentimos completos e geralmente somos felizes.

Com o passar do tempo notamos que começam a sobrar peças sob a mesa e que não conseguimos mais encaixar em nossas vidas. A partir dai começamos a nos sentir incompletos e, por vezes, não muito felizes, e saímos em busca de nosso manual de instruções para encontrar a peça correta que nos completa.

Chegam os primeiros anos de convivência escolar e notamos que somos todos diferentes.

Na adolescência, então, jamais nos sentimos completos: faltam várias peças e passamos a ver a dificuldade de sermos um todo bem ajustado.

No início da maturidade trocamos algumas peças, tentamos encaixar outras que servem apenas por um tempo e, assim, dia após dias, ficamos como loucos em busca de peças que nos complete e, por mais que nos esforcemos, nunca ficamos satisfeitos com o quadro que se forma em nossas vidas.

Na fase adulta, quando parece que estamos completos, algumas peças se desprendem: é o filho que contrai matrimônio e nos deixa; é a partida de um ente querido; é o companheiro(a) que resolve nos abandonar para brincar em outro lugar; é o amigo que destoa de nosso cenário e precisa ser retirado do quadro. Assim, nosso quebra-cabeça vai se alterando, mudando peças, mudando cenários e sempre resta um espacinho para ser preenchido.

É verdade que com o passar do tempo a gente aprende a conviver com algumas peças faltando e até desistimos de encontrar aquela que poderia nos completar. Já a peça com defeito deixamos  um pouco de lado, mas, muitas vezes, demoramos tanto para ajustar tal peça que passamos anos incompletos.

Mas o quebra-cabeça da vida também nos ensina a suprir o pedaço que nos falta e até aparentamos íntegros perante pessoas de nosso relacionamento, embora, em nosso íntimo, gostaríamos de ver aquela felicidade de criança voltar.

Minha experiência tem me mostrado que a falta de peças em nossas vidas só pode ser caso pensado do grande arquiteto do mundo, a fim de que sempre tenhamos um motivo para buscar inspiração e, por consequência, caminharmos na vida, já que o sentir-se completo poderia ensejar o fim de um ciclo e isto, tenho certeza, poucos querem.

Assim, a ausência de peças faz parte da vida e não devemos ter medo de sermos incompletos, aliás, em meu ponto de vista, a coragem de ser incompleto é completamente íntegra.

Cotidianamente observo e aprendo que mesmo um quebra-cabeça faltando peças pode ser um brinquedo bem divertido e interessante. Portanto, nunca desista de procurar as pedras que faltam, mas, não deixe de tentar viver intensamente ainda que alguns ajustes tenham que ser feitos ao longo do caminho.

Assim, meu recado de hoje é: não ligue se lhe falta uma ou algumas peças e procure ser feliz e íntegro dentro de sua “incompletude”.

Sempre se pergunte: Está tudo ok com minha “incompletude” hoje?

Espero que a filhinha de nossa amiga saiba, sempre, montar muito bem seu quebra cabeça.

Um abraço e até a próxima.

Rogério Gomez – Tchero.

Você se acha uma pessoa eficaz e eficiente?

PREMIO-EFICIENCIA

Acredito que poucos discordem que nos dias atuais temos que ser cada vez mais eficientes e eficazes em nosso dia-a-dia, para cumprirmos as várias obrigações que possuímos e aquelas que a sociedade pode nos impor. Parece que o mundo está girando muito rápido e nos falta tempo para ficarmos por dentro de tudo. A vida está mais complexa e estressante nesta era da informação e nos impõe vários desafios diuturnamente. Hoje em dia ter tempo virou artigo de luxo e ficamos angustiados em não conseguirmos tempo para aprender informática e aquelas ferramentas seguras para surfar na Net, para frequentar as aulas de inglês, ir para a academia, dar atenção a filhos e cônjuge, conhecer sobre comidas e bebidas,  estar nas redes sociais, fazer trabalhos domésticos, cuidar das crianças, ser bom profissional, pai, mãe, marido, esposa, ter boa aparência  … AAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHH.

Não digo que é impossível ser uma pessoa eficiente e eficaz em várias coisas, mas também não discordo que esta é uma tarefa muito árdua.

Aliás, embora as palavras “eficiência” e “eficácia” possam parecer como sinônimas em alguns dicionários, no mundo corporativo a questão é tratada de forma diferenciada: se diz eficaz alguém ou alguma coisa que produz o resultado ou efeito esperado e eficiente alguém ou alguma coisa que obtém bons resultados com menos recursos, tempo, dispêndio financeiro, ou seja, quem é eficiente é mais produtivo.

Daí a importância de ser eficaz, que entrega o resultado esperado, e também eficiente entregando o resultado esperado e com o mínimo de dispêndio possível.

Mas a busca da eficácia e da eficiência não deve ser meta para ser alcançada somente no campo profissional, mas é de suma importância que também tenhamos a preocupação de sermos reconhecidos com tais qualidades no campo pessoal.

7 habitosNos últimos anos tenho buscado um aprimoramento pessoal com leitura de vários livros, sendo que um dos títulos que gostei muito foi o livro chamado “OS 7 HÁBITOS DAS PESSOAS ALTAMENTE EFICAZES”. Não me considero uma pessoa altamente eficaz, mas de verdade aprendi boas lições. O autor chama-se Stephen R. Covey, um mestre em Administração formado em Harvard e que lançou o livro em 1989.

O hábito da leitura realmente é excelente. Costumamos desprezar na infância e juventude, mas que verdadeiramente faz uma grande diferença cultural quando se adota tal hábito desde logo.

Voltando ao livro. O livro aborda questões éticas, incentiva a ver o problema de outra forma para se buscar a solução e fala sobre mudança de hábitos, produção e capacidade de produção. Ensina sermos pró-ativos e não reativos, ou seja, estimula agirmos antes do problema acontecer. Discorre sobre iniciarmos e mantermos o objetivo maior em mente, a necessidade de se buscar equilíbrio na vida com a família, dinheiro, trabalho, bens pessoais, prazer, amigos, inimigos, religião, pessoalmente e cônjuge. O livro apresenta preciosas lições para alcançarmos nossas metas e interessante fórmula de gerenciarmos de nosso tempo. O autor indica uma matriz de gerenciamento de tempo que foca em realizarmos primeiro o que é mais importante, aliás, este capítulo é um dos que mais gostei, pois ele recomenda priorizarmos o que é mais importante antes que o importante se transforme em um assunto urgente. E isto de fato é relevante já que ficar atuando sempre no campo do urgente, muito provavelmente ficará sempre “apagando incêndio” e, assim, não se tornará uma pessoa eficaz e muito menos eficiente.

O livro trata, ainda, sobre o emocional, princípio de liderança, sobre adotarmos em nossas relações a política em que todos possam ganhar, discorre sobre o hábito de compreender antes de ser compreendido, sobre a empatia, a busca de sinergia com os colegas, finalizando com instruções de que  sempre devemos buscar renovação física, mental, emocional e espiritual.

É um livro muito bem escrito, com um conteúdo bem interessante, que foi muito útil para mim, principalmente no gerenciamento de trabalhos, prazos e equipes, e que trás ótimos ensinamentos não só para o contexto da vida profissional, mas também ótimos conceitos para a vida pessoal.

Assim, essa é minha dica e provocação de hoje e espero que de alguma forma possa lhe ajudar em algo.

Deixe seu comentário, pois ficarei contente em saber sua opinião, sugestão ou crítica.

Até a próxima e um abraço do Rogério Gomez ou simplesmente Tchero.

Até que enfim é sexta feira ? CUIDADO !!

Perigo: Você pode viver apenas 12 anos. Veja abaixo porque.calendario 

É rotina semanal para muitas pessoas: acordar lá pelas seis da matina em uma “segundona”, banho, café da manhã, trânsito, trabalho, escola, curso, retorno para casa, jantar lá pelas nove da noite e, se não tiver um bebê chorando, cama perto das vinte e três horas.

E assim se enfrenta a mesma rotina na terça, quarta e quinta-feira, com um humor questionável. Mas, quando chega sexta-feira, ai o dia fica mais bonito. O pessoal já levanta da cama cantarolando aquela música preferida e já programando ir ao churrasco do cunhado no fim de semana. Ir ao futebol, clube, as meninas agendando cabeleireiro e shopping, almoço fora, casa dos amigos etc. Assim, para muitos, a vida efetiva começa às 18 horas da sexta-feira.

Contudo, depois de ouvir aquela música do fantástico, ai a coisa fica uma “M” gigante: bate a depressão, você recorda que não preparou aquela tarefa que é pra segunda-feira de manhã  e, no meio da amargura, o encanto se acaba e começa a reflexão para enfrentar aquela rotina massacrante.

CALMA!     Você se viu na situação acima e age desta forma?

Minhas sinceras desculpas. Se para você a vida efetiva começa às 18 horas da sexta e termina às 18 horas do domingão, então, sinto dizer que a equação de sua vida não está legal. Fazendo uma simulação de “vida efetiva”, no período acima, durante a semana, e excluindo em torno de 7 horas de sono em cada um dos dias (sexta, sábado e domingo), considerando ainda o número de semanas no ano e a vida média do brasileiro segundo o IBGE, sinto muito, mas, a minha conclusão é que você tem apenas 12 anos de vida. Espanto? Vai. Confira abaixo minha simulação.

EQUAÇÃO DA VIDA

Assim, te pergunto: Quantos anos efetivos de vida você quer viver?     Eu acredito que merecemos viver muito mais do que os 12 anos simulados, não concorda?

Portanto, procure viver bem a cada momento do seu dia. Veja a vida com otimismo e como oportunidade para bem se relacionar com todas as pessoas. Ache o seu melhor jeito de curtir a vida.

Metaforicamente digo:

  • Dê um beijo no chefe logo que chegar ao trabalho na segunda.
  • Se interesse pela última aula de filosofia na terça à noite.
  • Atenda bem o cliente quarta às dezessete horas depois daquela feijoada.
  • Seja gentil e, na quinta, deixe que as pessoas entrem no metrô em primeiro lugar na hora do rush.

Assim, achando sua melhor fórmula tenho certeza que a partir de agora sua vida será muito mais emocionante, não importando o dia da semana e o que estiver fazendo. Curta, ame, faça uma gentileza, faça amigos, pois a vida é uma só e merece ser vivida por mais do que 12 anos.

Vou ficando por aqui hoje com esta minha reflexão e ficarei feliz se deixar o seu comentário ou sua crítica sobre este meu novo post.

Valeu e um abraço meu, Rogério Gomez, ou simplesmente Tchero.

O seu “Self Interior” está em harmonia com aquele seu último lindo self?

rafa

O self virou moda. Sejam homens ou mulheres, crianças, adolescentes ou adultos, famosos ou não, todos estão na onda e, de fato, é bacana. Pessoas sorridentes, caras e bocas, abraços e beijos e eis a felicidade aparente transmitida no self que ganha o mundo. É bonito.

Como muita gente sabe a palavra self traduzida para nossa língua portuguesa quer dizer “eu” ou “a própria pessoa” e, assim, o click da própria imagem agora é apenas self. Eu também gosto.

O self virou febre, a palavra está até sendo incorporada em dicionários de outras línguas não inglesas, mas, devo contar que há registros de que o primeiro  self foi feito em 1839. Veja aqui se quiser conferir.

Mas, com a memória digital cheia de selfs, como anda o seu “self interior”? Está também legal, bacana, sorridente, alegre, curtindo a vida, ou ele é menos empolgante que o “self exterior”? Quando você faz aquele bonito self a bonita imagem também é reflexo de sua alma ou o seu “self interior” está um pouco apagado e se estressa com a primeira pessoa que te olha torto no trânsito, na escola, em casa ou no trabalho?

No dia-a-dia percebo que algumas pessoas transmitem estar com seu “self interior” um pouco carregado, sem sorriso, triste, de saco cheio, mas, entre um passo aqui e outro acolá vai tirando um selfizinho do exterior que bomba nas redes sociais, enquanto que o “self interior” está se escondendo para nem mesmo aparecer naquela velha foto 3×4 da Carteira de Trabalho.

Se este não é o seu caso parabéns por ser uma pessoa bonita por dentro e por fora, pois manter esta harmonia é um desafio diário. Eu estou me esforçando. Agora, se você está ai refletindo e notando que o seu “self interior” está em conflito com o self das redes sociais, dá uma respirada, largue a pedra que está carregando, desarme-se. Enfrente a dificuldade. Se você está zangada(o) com alguém procure pensar que ninguém é perfeito e, se possível, dê uma chance para a outra pessoa. Procure enxergar seus “problemas” apenas como algo que deve e será resolvido no seu tempo. Procure observar a beleza infinita e milagrosa da natureza que está em sua volta, buscando, assim, um equilíbrio para seu Ser. Lembre-se: a vida é curta para ser pequena.  Assim, vou deixando aqui esta minha reflexão, e espero que quando você tirar aquela próxima linda self você perceba e transmita para as pessoas que também o seu “self interior” é igualmente bonito.

Valeu. Deixe aqui seu comentário que terei prazer em saber a sua opinião.

Um abraço do Tchero.