Você se acha uma pessoa eficaz e eficiente?

PREMIO-EFICIENCIA

Acredito que poucos discordem que nos dias atuais temos que ser cada vez mais eficientes e eficazes em nosso dia-a-dia, para cumprirmos as várias obrigações que possuímos e aquelas que a sociedade pode nos impor. Parece que o mundo está girando muito rápido e nos falta tempo para ficarmos por dentro de tudo. A vida está mais complexa e estressante nesta era da informação e nos impõe vários desafios diuturnamente. Hoje em dia ter tempo virou artigo de luxo e ficamos angustiados em não conseguirmos tempo para aprender informática e aquelas ferramentas seguras para surfar na Net, para frequentar as aulas de inglês, ir para a academia, dar atenção a filhos e cônjuge, conhecer sobre comidas e bebidas,  estar nas redes sociais, fazer trabalhos domésticos, cuidar das crianças, ser bom profissional, pai, mãe, marido, esposa, ter boa aparência  … AAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHH.

Não digo que é impossível ser uma pessoa eficiente e eficaz em várias coisas, mas também não discordo que esta é uma tarefa muito árdua.

Aliás, embora as palavras “eficiência” e “eficácia” possam parecer como sinônimas em alguns dicionários, no mundo corporativo a questão é tratada de forma diferenciada: se diz eficaz alguém ou alguma coisa que produz o resultado ou efeito esperado e eficiente alguém ou alguma coisa que obtém bons resultados com menos recursos, tempo, dispêndio financeiro, ou seja, quem é eficiente é mais produtivo.

Daí a importância de ser eficaz, que entrega o resultado esperado, e também eficiente entregando o resultado esperado e com o mínimo de dispêndio possível.

Mas a busca da eficácia e da eficiência não deve ser meta para ser alcançada somente no campo profissional, mas é de suma importância que também tenhamos a preocupação de sermos reconhecidos com tais qualidades no campo pessoal.

7 habitosNos últimos anos tenho buscado um aprimoramento pessoal com leitura de vários livros, sendo que um dos títulos que gostei muito foi o livro chamado “OS 7 HÁBITOS DAS PESSOAS ALTAMENTE EFICAZES”. Não me considero uma pessoa altamente eficaz, mas de verdade aprendi boas lições. O autor chama-se Stephen R. Covey, um mestre em Administração formado em Harvard e que lançou o livro em 1989.

O hábito da leitura realmente é excelente. Costumamos desprezar na infância e juventude, mas que verdadeiramente faz uma grande diferença cultural quando se adota tal hábito desde logo.

Voltando ao livro. O livro aborda questões éticas, incentiva a ver o problema de outra forma para se buscar a solução e fala sobre mudança de hábitos, produção e capacidade de produção. Ensina sermos pró-ativos e não reativos, ou seja, estimula agirmos antes do problema acontecer. Discorre sobre iniciarmos e mantermos o objetivo maior em mente, a necessidade de se buscar equilíbrio na vida com a família, dinheiro, trabalho, bens pessoais, prazer, amigos, inimigos, religião, pessoalmente e cônjuge. O livro apresenta preciosas lições para alcançarmos nossas metas e interessante fórmula de gerenciarmos de nosso tempo. O autor indica uma matriz de gerenciamento de tempo que foca em realizarmos primeiro o que é mais importante, aliás, este capítulo é um dos que mais gostei, pois ele recomenda priorizarmos o que é mais importante antes que o importante se transforme em um assunto urgente. E isto de fato é relevante já que ficar atuando sempre no campo do urgente, muito provavelmente ficará sempre “apagando incêndio” e, assim, não se tornará uma pessoa eficaz e muito menos eficiente.

O livro trata, ainda, sobre o emocional, princípio de liderança, sobre adotarmos em nossas relações a política em que todos possam ganhar, discorre sobre o hábito de compreender antes de ser compreendido, sobre a empatia, a busca de sinergia com os colegas, finalizando com instruções de que  sempre devemos buscar renovação física, mental, emocional e espiritual.

É um livro muito bem escrito, com um conteúdo bem interessante, que foi muito útil para mim, principalmente no gerenciamento de trabalhos, prazos e equipes, e que trás ótimos ensinamentos não só para o contexto da vida profissional, mas também ótimos conceitos para a vida pessoal.

Assim, essa é minha dica e provocação de hoje e espero que de alguma forma possa lhe ajudar em algo.

Deixe seu comentário, pois ficarei contente em saber sua opinião, sugestão ou crítica.

Até a próxima e um abraço do Rogério Gomez ou simplesmente Tchero.

Você quer reconhecimento profissional e está fazendo somente o básico?

 

carimbo

Minha experiência profissional me mostrou que o básico todo mundo faz e somente aquele que se interessa em entregar mais do que lhe foi pedido obtém reconhecimento profissional e, por consequência, uma remuneração financeira muito mais interessante.

Para quem não é filho de dono de empresa, não vem de família financeiramente abastada ou não é parente de alguém importante, conseguir chegar a uma posição de destaque, em seu emprego ou trabalho, é tarefa difícil, mas, plenamente possível. Contudo, basicamente tudo dependerá do seu nível de comprometimento e pode esquecer: fazer o básico não é suficiente.

É lógico que durante o caminho para o sucesso, independentemente de seu esforço, é condição sine qua non aprender a enfrentar o chamado “mundo corporativo”, já que neste mundo existem muito mais pessoas lutando contra você do que pessoas que realmente querem te ajudar. Minha experiência profissional mostra que a maioria dos colegas de trabalho não tem o compromisso de bem realizar a tarefa que lhe foi confiada e para a qual é pago. Muitos estão mais preocupados em se dar bem com o chefe e para isso se utilizam de vários subterfúgios: transmitem falsas imagens, utilizam-se do trabalho por você realizado para conseguir reconhecimento sem informar a fonte, costumam depreciar sua imagem por sentirem-se ameaçados em perder a posição, sem contar a postura daquele chefe que utiliza a sua ideia para levar ao presidente da empresa como se sua fosse.

Mas não tem jeito: segundo minhas experiências e relatos de amigos e familiares, que sofrem com fatos similares, infelizmente na grande maioria das empresas a coisa funciona deste jeito e temos que encarar até como uma normalidade no mundo corporativo.

Mas não deixe este panorama te intimidar. O sucesso profissional é plenamente possível, embora o esforço pessoal seja inevitável.

Eu segui alguns passos que me ajudaram na vida profissional, embora muitos outros devam ser seguidos e até você possa encontrar melhores em sua trajetória. Mas, deixo aqui 10 dicas que penso sejam importantes e podem ajudar em um crescimento profissional contínuo. Mas lembre: só com o básico geralmente não dá:

  1. Mantenha uma boa apresentação pessoal;
  2. Respeite e seja gentil com todos, independentemente do nível hierárquico. Tenha certeza de que isto é comentado por todos com que você se relaciona;
  3. Mantenha interesse em aprender o que está fazendo e procure entregar sempre mais do que lhe foi pedido. Evite fazer por fazer, pois, quando questionado, o ideal é que você saiba explicar a razão de sua atividade existir e porque ela é útil;
  4. Procure sempre sair de sua zona de conforto. Este passo, por vezes, causa um pouco de medo, mas procure agir independente do medo;
  5. Embora muitas pessoas sejam vencedoras sem estudo superior, ainda o estudo é ponto de destaque e pense em no mínimo ir até uma pós-graduação;
  6. O inglês hoje é básico. Se não consegue aprender em um ano, estude dois, três, quantos precisar: isto fará uma baita diferença;
  7. Conheça bem os recursos de informática hoje disponíveis, pois em apresentações isto vai facilitar e valorizar muito seu trabalho;
  8. Um pouco de marketing pessoal é importante, desde que você realmente espelhe o que está valorizando;
  9. Não queira sucesso rápido: eu acredito que um crescimento estruturado é melhor e deixará você muito mais seguro;
  10. Aprenda a falar em público e seja firme em seu pronunciamento. Tenha conhecimento sobre o que está falando. Não tenha medo de expor suas ideias. Aprenda a ouvir e não tenha medo de concordar com a opinião alheia, mas divirja com respeito se não concordar.

Esta é minha provocação de hoje e, como dica final. fazendo sua parte, não deixe de se valorizar e no momento certo não tenha receio de pedir para que a empresa lhe dê o devido reconhecimento, pois pode ter certeza que as empresas querem reter colaboradores que desempenhem bem suas tarefas e vendam bem a imagem da companhia.

Fica aqui um abraço meu, Rogério Gomez, ou simplesmente Tchero, esperando que você tenha um grande sucesso profissional.

Até que enfim é sexta feira ? CUIDADO !!

Perigo: Você pode viver apenas 12 anos. Veja abaixo porque.calendario 

É rotina semanal para muitas pessoas: acordar lá pelas seis da matina em uma “segundona”, banho, café da manhã, trânsito, trabalho, escola, curso, retorno para casa, jantar lá pelas nove da noite e, se não tiver um bebê chorando, cama perto das vinte e três horas.

E assim se enfrenta a mesma rotina na terça, quarta e quinta-feira, com um humor questionável. Mas, quando chega sexta-feira, ai o dia fica mais bonito. O pessoal já levanta da cama cantarolando aquela música preferida e já programando ir ao churrasco do cunhado no fim de semana. Ir ao futebol, clube, as meninas agendando cabeleireiro e shopping, almoço fora, casa dos amigos etc. Assim, para muitos, a vida efetiva começa às 18 horas da sexta-feira.

Contudo, depois de ouvir aquela música do fantástico, ai a coisa fica uma “M” gigante: bate a depressão, você recorda que não preparou aquela tarefa que é pra segunda-feira de manhã  e, no meio da amargura, o encanto se acaba e começa a reflexão para enfrentar aquela rotina massacrante.

CALMA!     Você se viu na situação acima e age desta forma?

Minhas sinceras desculpas. Se para você a vida efetiva começa às 18 horas da sexta e termina às 18 horas do domingão, então, sinto dizer que a equação de sua vida não está legal. Fazendo uma simulação de “vida efetiva”, no período acima, durante a semana, e excluindo em torno de 7 horas de sono em cada um dos dias (sexta, sábado e domingo), considerando ainda o número de semanas no ano e a vida média do brasileiro segundo o IBGE, sinto muito, mas, a minha conclusão é que você tem apenas 12 anos de vida. Espanto? Vai. Confira abaixo minha simulação.

EQUAÇÃO DA VIDA

Assim, te pergunto: Quantos anos efetivos de vida você quer viver?     Eu acredito que merecemos viver muito mais do que os 12 anos simulados, não concorda?

Portanto, procure viver bem a cada momento do seu dia. Veja a vida com otimismo e como oportunidade para bem se relacionar com todas as pessoas. Ache o seu melhor jeito de curtir a vida.

Metaforicamente digo:

  • Dê um beijo no chefe logo que chegar ao trabalho na segunda.
  • Se interesse pela última aula de filosofia na terça à noite.
  • Atenda bem o cliente quarta às dezessete horas depois daquela feijoada.
  • Seja gentil e, na quinta, deixe que as pessoas entrem no metrô em primeiro lugar na hora do rush.

Assim, achando sua melhor fórmula tenho certeza que a partir de agora sua vida será muito mais emocionante, não importando o dia da semana e o que estiver fazendo. Curta, ame, faça uma gentileza, faça amigos, pois a vida é uma só e merece ser vivida por mais do que 12 anos.

Vou ficando por aqui hoje com esta minha reflexão e ficarei feliz se deixar o seu comentário ou sua crítica sobre este meu novo post.

Valeu e um abraço meu, Rogério Gomez, ou simplesmente Tchero.

O seu “Self Interior” está em harmonia com aquele seu último lindo self?

rafa

O self virou moda. Sejam homens ou mulheres, crianças, adolescentes ou adultos, famosos ou não, todos estão na onda e, de fato, é bacana. Pessoas sorridentes, caras e bocas, abraços e beijos e eis a felicidade aparente transmitida no self que ganha o mundo. É bonito.

Como muita gente sabe a palavra self traduzida para nossa língua portuguesa quer dizer “eu” ou “a própria pessoa” e, assim, o click da própria imagem agora é apenas self. Eu também gosto.

O self virou febre, a palavra está até sendo incorporada em dicionários de outras línguas não inglesas, mas, devo contar que há registros de que o primeiro  self foi feito em 1839. Veja aqui se quiser conferir.

Mas, com a memória digital cheia de selfs, como anda o seu “self interior”? Está também legal, bacana, sorridente, alegre, curtindo a vida, ou ele é menos empolgante que o “self exterior”? Quando você faz aquele bonito self a bonita imagem também é reflexo de sua alma ou o seu “self interior” está um pouco apagado e se estressa com a primeira pessoa que te olha torto no trânsito, na escola, em casa ou no trabalho?

No dia-a-dia percebo que algumas pessoas transmitem estar com seu “self interior” um pouco carregado, sem sorriso, triste, de saco cheio, mas, entre um passo aqui e outro acolá vai tirando um selfizinho do exterior que bomba nas redes sociais, enquanto que o “self interior” está se escondendo para nem mesmo aparecer naquela velha foto 3×4 da Carteira de Trabalho.

Se este não é o seu caso parabéns por ser uma pessoa bonita por dentro e por fora, pois manter esta harmonia é um desafio diário. Eu estou me esforçando. Agora, se você está ai refletindo e notando que o seu “self interior” está em conflito com o self das redes sociais, dá uma respirada, largue a pedra que está carregando, desarme-se. Enfrente a dificuldade. Se você está zangada(o) com alguém procure pensar que ninguém é perfeito e, se possível, dê uma chance para a outra pessoa. Procure enxergar seus “problemas” apenas como algo que deve e será resolvido no seu tempo. Procure observar a beleza infinita e milagrosa da natureza que está em sua volta, buscando, assim, um equilíbrio para seu Ser. Lembre-se: a vida é curta para ser pequena.  Assim, vou deixando aqui esta minha reflexão, e espero que quando você tirar aquela próxima linda self você perceba e transmita para as pessoas que também o seu “self interior” é igualmente bonito.

Valeu. Deixe aqui seu comentário que terei prazer em saber a sua opinião.

Um abraço do Tchero.

Seja bem vindo ao Blog do Tchero. O que este cara quer?

SAM_4133

Eu sou ROGÉRIO GOMEZ, hoje cinquentão com orgulho. Administrador e Advogado de formação e atuante. Filho de uma grande mulher, quatro irmãos, casado há 22 anos e dois filhos “bem criados”. Familiares e amigos mais antigos me conhecem como TCHERO e daí o nome do blog. Meu pai é quem começou a me chamar assim e pegou. Ao longo de minha vida passei por muitas experiências: perdi meu pai com 12 anos e comecei a trabalhar formalmente nesta idade para ajudar no sustento do lar. Joguei bola, empinei pipa, brinquei muito na rua e nela briguei um pouquinho também: coisa de moleque. Subi em árvores para deliciar-me com as frutas, estudei no período diurno e noturno, joguei no time do colégio, namorei, tomei chuva, peguei busão e metrô lotados. Aprendi a tocar violão, quis ser até artista, mas, o Raul não deixou e, assim, o jeito foi formar uma banda com amigos pra tocar na vila. Tocar violão, guitarra ou cavaquinho com família e amigos é meu hobby predileto e não reclamo se servirem uma gelada. Frequentei bailes, estudei e trabalhei pra car…. até virar executivo de uma grande empresa. Casei, consegui comprar um carro e uma casa, continuo educando meus filhos, casado e, adivinhem, continuo trabalhando e estudando. Enfim, continuo vivendo e aprendendo.

Resolvi fazer este blog e quero ter o prazer de compartilhar minhas experiências com todas as pessoas que também batalham para manter uma vida digna, emitir minha opinião sobre as coisas da vida, dificuldades, casamento, filhos, felicidades, tristezas, emoções, sentimentos e, de alguma forma, tentar ajudá-las expondo meus pensamentos e meu olhar sobre os acontecimentos da vida.

Obrigado por ver este meu primeiro post que conta um pedacinho da minha vida e te convido a sempre que possível dar uma olhadinha neste espaço que farei com muito carinho para nós.

Valeu e um abraço meu, Rogério Gomez, ou apenas Tchero.